Cinema, Críticas, ReleMMbrando

Traídos pelo Destino (2007)

Drama apoiado em ótimas atuações de Joaquin Phoenix, Mark Ruffalo e Jennifer Connelly é simplista e falta ousadia em seu diretor.

É difícil imaginar como reagiríamos se uma tragédia acontecesse em nossa família ou com alguém próximo. Infelizmente só quem já passou por isso pode descrever o quão doloroso é essa situação.

Depois de assistirmos “Traídos pelo Destino” poderemos ter uma mínima noção de que a fúria pode transformar a personalidade de maneira que nem imaginamos.

Uma pena que o diretor Terry George não tenha se preocupado muito com o roteiro do filme. Demasiadamente simples, o filme acaba se apoiando apenas nas ótimas atuações de seus atores.

Depois de um jogo de Baseball o advogado Dwight Arno (Mark Ruffalo) volta com seu filho de 11 anos para casa de sua ex-esposa, Ruth Weldon (Mira Sorvino), Dwight perde o controle de seu carro e acaba atropelando e matando o filho de Ethan (Joaquin Phoenix) e Grace (Jennifer Connelly).

Conseqüência ou não de seus últimos trabalhos o diretor Terry George pareceu estar bem relaxado com seu novo filme “Traídos pelo Destino” , apesar de ser uma história bem comum no cinema o cineasta não soube como trabalhar e agradar melhor o seu público.

O filme carece muito de uma trilha sonora envolvente, por horas o silêncio chega a irritar. A musicalidade de um filme é extremamente fundamental, com ela o diretor consegue somar as interpretações de seus atores e mais a sua emoção. Parece que ele quis deixar apenas nas costas de seus atores.

Por sinal é de se louvar esses belíssimos atores, tendo sempre que conviver com a sombra de seu já falecido irmão (River Phoenix), Joaquin Phoenix parece ter um talento igual ou até mesmo superior que seu irmão. O ator já realizou ótimos trabalhos em “O Gladiador” , “Johnny & June” e “Amantes” mais uma vez acerta e mostra todo seu potencial dando um show. O pai extremamente alegre do começo do filme dá lugar á um homem completamente indeciso e perdido em suas atitudes que tem um ódio crescendo dentro de si. Toda essa transição de personalidade ganha força com a atuação de Phoenix.

O ator Mark Rufallo parece vir se desenvolvendo a cada novo trabalho, como o próprio Fernando Meirelles relatou depois de seu desempenho em “ Ensaio Sobre a Cegueira”. Dessa vez ele teve que lidar com a dor do arrependimento, e soube trabalhar muito bem. Mostrando ser carinhoso com seu filho mas extremamente amargurado com o acontecimento, Rufallo nos mostra a ferida eterna que ficará em seu coração depois do acidente.

Jennifer Connelly também está ótima no papel de Grace, mão do garoto que morreu. A atriz que despontou em “Réquiem Para um Sonho” e já ganhou o Oscar de Melhor Atriz em “Uma Mente Brilhante” precisa voltar a fazer filmes bons e que lhe dêem a responsabilidade de carregar o filme sendo a protagonista. Em “Casa de Areia e Névoa” percebemos seu talento ao lado de Ben Kingsley.

A única coisa boa que pode ser lembrada no filme realmente são as interpretações de seus atores e a mensagem – graças aos atores – do quão difícil é lhe dar com uma tragédia.

Faltou coragem a Terry George assim como em “Hotel Ruanda”, o roteiro mal acabado e covarde faz com que esse seja apenas mais um filme, apoiado em lampejos de ótimos atores.

Nota: 6,0


Um comentário em “Traídos pelo Destino (2007)”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s