Cinema, Críticas, ReleMMbrando

Menina de Ouro (2004)

Clint Eastwood constrói uma obra-prima onde nos faz refletir sobre esperança, fé e o poder da família. “Proteja-se sempre.”

Em 2003 o cinema aclamou de pé um dos grandes filmes dos últimos tempos, a vida de 3 amigos de infância que voltam a se encontrar depois de um bom tempo, tendo que trabalhar com o sentimento de culpa. Era o ótimo filme “Sobre Meninos e Lobos”. E parece realmente que Clint Eastwood acertou o pé em seus novos dramas, mesmo com uma idade já avançado (79 anos) o Diretor/Ator continua entregando belíssimas produções, “Cartas de Iwo Jima” , “Gran Torino” que inclusive foi seu ultimo papel como ator, “A Troca” e o ainda inédito no Brasil “Invictus” foram filmes que lhe renderam premiações e aclamação da crítica, o cineasta realmente sabe fazer um drama.

Mas talvez nenhum desses filmes possa alcançar em profundidade psicológica, o excelente “Menina de Ouro” a obra chega a beirar a perfeição, no quesito de roteiro, na montagem perfeita do filme e sem falar é claro nas atuações esplendidas de Hilary Swank, Morgan Freeman e dele é claro, Clint Eastwood, que consegue mesmo com aquele rosto fechado arrancar lágrimas do cidadão mais durão que possa acompanhar essa verdadeira obra-prima.

Frankie Dunn (Clint Eastwood) é um velho fechado, frio e extremamente amargurado, principalmente depois que sua filha o deixou, do qual ele não tem nem a menos a coragem de lhe escrever uma carta. Frank possui um academia de boxe bem simples que não lhe dá quase lucro nenhum, apenas lhe trazendo prejuízo. A única pessoa que Frank considera como amigo é o ex-boxeador treinado por ele, Scrap (Morgan Freeman). Porém Frank se considera culpado pelo fato de Scarp ter perdido um olho durante uma luta que já era para ter sido interrompida. Apesar do inegável talento como treinador Frank jamais conseguiu implacar um grande sucesso do boxe por ser excesivamente conservador, protegendo demais seus alunos e acabando prejudicando-os.

Em um dos momentos de maior solidão, onde um boxeador treinado por ele o abandona na véspera do titulo mundial, aparece em sua vida a humilde Maggie Fitzgerald (Hilary Swank), a pobre garota de trinta anos que trabalha como garçonete em uma simples lanchonete, mas que é a única pessoa que acredita em si mesma acreditando que poderá se tornar uma campeã mundial de boxe.

Apesar da falta de vontade de Frank no começo, ela consegue convence-lo a treina-la. Rapidamente o talento de Maggie aparece e ela se torna uma das melhores boxeadoras da época, conseguindo ganhar dinheiro ao ponto de comprar uma nova casa para sua família. Mas quando tudo apontava para um esplendido sucesso, um grave acidente acontece em uma luta, mudando o destino de Maggie e Frank para sempre.

A parte técnica do filme é irrepreensível, Eastwood consegue fazer você vibrar junto com Maggie, o modo de filmagem faz você entrar na lutas de boxes e sair dando socos por aí, mas sem parecer algo forçado, o cineasta consegue fazer algo tão natural que realmente impressiona pela beleza.

Depois da tragédia que abala a vida dos 3 personagens principais percebemos o quão talentoso são os 3 atores que dão vida a eles. Clint Eastwood convence como o treinador durão extremamente amargurado, mas que não consegue esconder seus sentimentos, Hilary Swank está talvez no melhor papel de sua carreira ao lado de sua participação em “Os Meninos Não Choram” que acabou lhe rendendo o Oscar em 1999, conseguindo fazer você acreditar que realmente existe uma “Mo Cuishle “(apelido pelo qual Maggie ficou conhecida no mundo do boxe), Morgan Freeman consegue dar toda intensidade possível para seu personagem, ele que é o narrador da história consegue exprimir todo seu sentimento em suas palavras.

“Menina de Ouro” é muito mais do que um filme sobre boxe, ao contrário do que foi dito na época é muito mais do que uma “adaptação” ou as inúmeras cópias que surgiram depois de “Rocky Balboa” , o filme vai muito além disso, trata das escolhas que devem ser feitas na vida, a realização tanto profissional quanto espiritual, fazendo acreditar em você mesmo, tendo esperança que por mais que tudo parece caminhar contra, você tem a capacidade de reverter a situação e nocautear as dificuldades da vida. O filme é metaforicamente perfeito e comovente.

O filme foi condecorado com 4 Oscar: Melhor Filme, Melhor Diretor (Clint Eastwood), Melhor Atriz (Hilary Swank) e Melhor Ator Coadjuvante, ganhando também 2 Globo de Ouro: Melhor Atriz Drama (Hilary Swank) e Melhor Diretor (Clint Eastwood).

Depois de acompanhar “Menina de Ouro”, não levante logo do sofá e vá fazer outra coisa, pare e reflita junto com a música de fundo perfeita, imagine a lição de vida que você acabou se presenciar, é um filme para se refletir. E lembre-se “Proteja-se sempre”.

Nota: 9,0


1 thought on “Menina de Ouro (2004)”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s