2010, Cinema, Críticas

Dupla Implacável (2010)

Com um John Travolta que há muito tempo não se via, “Dupla Implacável” sabe de suas baixas pretensões, e felizmente consegue preenche-las com muito entretenimento e diversão.


Sabe aquele filme certo para levarmos a namorada, amigos e familiares? “Dupla Implacável” é um desses, um filme que sabe de suas pretensões – baixas – mas nem por isso chega a ser desagradável.
Por mais que não acrescente quase nada de novo ao gênero, por mais que o roteiro possua buracos gigantescos, ele é o típico filme para se ver sem compromisso, a produção que tem a única função de ser um passatempo, uma diversão. Para isso existem as comédias românticas, os filmes ‘b’ de terror, e filmes de ação/comédia como “Dupla Implacável”.

O cinema não é feito só de obras-primas, esses filmes ‘menores’ alimentam também a indústria cinematográfica, basta apenas ter ciência de classificarmos como tal. Então provavelmente muitos irão se decepcionar com o filme, quem for esperando algo maduro, uma produção mais relevante não sairá contente.
E quanto à tradução do filme….. Não vou ser repetitivo. Só avisando que o nome original é “From Paris with Love”, a grosso modo algo como “De Paris, com amor”.

A produção sai das mãos do francês Pierre Morrel, o mesmo que dirigiu o ótimo, “Busca Implacável” com Lian Nesson e Magie Grace. Aqui Morrel também aposta em um filme de ação, mas com grandes resquícios de comédia, principalmente um humor negro. O grande problema de Morrel foi seus parceiros: o experiente Luc Besson que já roteirizou o próprio “Busca Implacável” tendo seu maior êxito em “O Profissional” (filme que revelou a atriz Natalie Portman). Adi Hasak também está encarregado do desenvolvimento do roteiro de “Dupla Implacável”. Infelizmente a dupla erra feio, deixando muitas arestas soltas e situações previsíveis, com furos gritantes e com um modelo já batido em filmes deste gênero: Uma situação imprevisível, muita ação e obviamente uma reviravolta. Isso acaba prejudicando o filme

James Reec (Jonathan Rhys Meyers) é um jovem agente da Embaixada Americana na França, ele está noivo de Caroline (Kasia Smutniak). Entretanto ele está um pouco instigado com o seu baixo aproveitamento pela Embaixada – dentre suas ‘principais’ funções estão trocar placas de carros e implantar microfones em salas de governadores. Ele almeja ser um agente de campo, algo com um pouco mais de ação.
Então, agora James terá uma nova função: ele será o parceiro do irreverente, Charlie Wax (John Travolta), um experiente espião que tentará impedir um ataque terrorista em Paris.

A introdução do personagem de Travolta já é uma amostra de qual rumo o filme tomará, falando palavrões a cada cinco segundos Travolta em poucos minutos demonstra um personagem como há muito tempo não se via de sua parte. E não se passam nem dez minutos e o Travolta careca e gordo já está destruindo um restaurante chinês, em busca de cocaína. Então imagine a cena: O esquentadinho, gordo, careca e muito hilário Travolta em parceria com o todo certinho Rhys Meyers( em boa parte do filme andando para cima e pra baixo com um vazo cheio de cocaína).

Por favor, vamos encarar esse filme como uma comédia, e não levá-lo a sério. Morrel deixa claro suas pretensões de diversão, tanto pela montagem do personagem de John Travolta quanto pelas situações vividas por este e seu parceiro. Entretanto parece ter havido uma falta de sintonia entre o diretor e seus roteiristas, um choque diversão X seriedade. O roteiro começa a dar indícios de se tornar um filme sério, tendo um final destoante da primeira parte do filme, isso atrapalha aos mais rígidos, mas a adrenalina com certeza estará garantida. O filme acerta também em sua duração, 90 minutos, um tamanho padrão e ideal para esse tipo de filme.

As locações em Paris são belíssimas, Morrel soube explorar muito bem a maravilhosa cidade para produzir belíssimas tomadas. O filme é inteiramente filmado na capital francesa.

Jonathan Rhys Meyers enquanto tem que bancar o garotão que está totalmente perdido com a situação confusa em que ele se intrometeu convence, porém no momento em que se necessita de uma carga dramática maior ele escorrega, fazendo de seu personagem mais um ‘herói’ patético. O irlandês de 32 anos participou de filmes como “Ponto Final – Match Point” e “O Som do Coração”, mas aqui ele não convence.

Agora quem me convence e (quase) sempre convenceu é John Travolta. Um ator talentoso, mas que teve sua carreira muito mal conduzida, as razões não se sabem, e também não vem ao caso. Quem não se lembra de seus papéis memoráveis em “Grease – Nos Tempos da Brilhantina” e principalmente na pele de Tony Manero em “Os Embalos de Sábado a Noite” (no qual foi indicado ao Oscar de Melhor Ator). Mas sem uma explicação coerente a carreira de Travolta estava completamente esquecida, em quase vinte anos de ostracismo, realizando apenas papéis medianos. Então em 1994 ele é ‘redescoberto’ por Quentin Tarantino que o chama para protagonizar o sucesso “Pulp Fiction – Tempo de Violência”. O “up” existente na carreira de Travolta foi enorme. Ainda com resquícios de Vicent Vega, Travolta realiza “O Nome do Jogo”, esse talvez tenha sido seu último papel relativamente memorável, isto a longínquos quinze anos atrás. Seu papel em “Dupla Implacável” obviamente não terá as mesmas proporções de “Pulp Fiction – Tempo de Violência”, mas serve de um alívio para os fãs desse ator, que tem seu nome gravado por todos. Fica aqui minha torcida para que Travolta volte a ter atuações como a de Vicent Veja, Tony Manero e agora também de Charlie Wax.

Então “Dupla Implacável” sabe de todas as suas baixas pretensões, e acaba tendo seu êxito. Com um Travolta inspirado, vale como diversão e puro entretenimento

Nota: 6,0


2 comentários em “Dupla Implacável (2010)”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s