[REC] 2 – Possuídos (2009)

"[REC] 2" de Jaume Balagueró e Paco Plaza

Tenta a qualquer custo justificar sua existência, mas graças a uma enorme ambição comercial e a uma história estupidamente horrível, esta continuação é um fiasco.

E não teve outra! O dinheiro falou mais alto, e Jaume Balagueró e Paco Plaza decidiram realizar uma continuação para o sucesso de bilheteria “[REC]” (clique aqui). A primeira fita de 2007 é o típico filme que não precisaria de nenhuma continuação, mas que deixa algumas arestas para possíveis oportunidades futuras. Não podemos também crucificar os diretores espanhóis, afinal estamos falando de um mercado menor se comparado ao de Hollywood, mas seria bom se de vez em quando o cinema – isso vale para tudo – fosse colocado acima de questões financeiras.

Pois bem, então a dupla espanhola decidiu voltar aos estúdios e começaram a gravação de “[REC] 2 – Possuídos” do ano passado, mas que só chega agora ao cinema brasileiro. A cada cena que se passa parece que todos envolvidos e todos os espectadores têm a mesma coisa em mente: “Uma continuação completamente desnecessária”.

É tão evidente que esta continuação jamais deveria ter sido cogitada que a cada plano-sequencia, a direção do filme tenta provar o real motivo de sua existência, acrescentado alguns apetrechos a mais com relação à primeira fita: Vários pontos de vistas na forma de membros da SWAT com câmeras em seus capacetes e principalmente em misturar uma questão religiosa a produção.

“[REC] 2 – Possuídos” erra grotescamente em misturar zumbis com pessoas possuídas, ou seja, esta escolha só serviu para apagar quase tudo que já havia sido trabalhado em seu primeiro episódio. Se anteriormente, quando mordida a pessoa se tornava um morto-vivo, agora ela está possuída(?).

A história é bem simples, passaram-se 15 minutos depois que as autoridades perderam contato com as pessoas enclausuradas no edifício (em um português mais claro, estamos 15 minutos depois do término do primeiro filme). Ninguém sabe o que acontece lá dentro e o caos toma conta do lado de fora. Enquanto isso, uma equipe da SWAT, com câmeras de vídeo é claro, é enviada para o interior do prédio para monitorar a situação e determinar o que estaria acontecendo.

Por que raios, membros da SWAT tem que andar com câmeras em seus capacetes e com um cinegrafista profissional a sua volta em quanto estão no meio de uma missão?? Obviamente para ter um filme.

Se na primeira fita, é totalmente crível uma repórter estar realizando um programa e por isso estar gravando os acontecimentos aterrorizantes, nesta continuação não faz sentido algum à existência da bendita, ou maldita câmera. Chegamos então à conclusão que se não á motivo para a presença da filmagem em primeira pessoa, não há nenhuma justificativa para a existência do filme aqui em questão. A trama consegue unir tanta estupidez que é difícil entender se este roteiro foi intencional ou não. Jaume Balagueró e Paco Plaza começam a dar explicações onde não precisa, tentando fugir do comum, mas perdão, este trabalho já estava fadado a cair no limbo do conformismo.

É obvio que existem alguns sustos (mesmo que sejam os mesmos do primeiro filme), mas quase nada deve ser levado em conta desta nova produção. Assustador não é a trama ridícula do filme, mas sim o que uma oportunidade exclusivamente financeira pode fazer. Estamos conformados com o anti-cinema e com o sucesso comercial. Não acredita? Veja com os próprios olhos, “[REC] 2 – Possuídos” ainda está em cartaz nos cinemas.

Nota: 2,0

por Filipe Ferraz

1 comentário Adicione o seu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s