2010, Cinema, Especiais, Premiações

Prévia: Globo de Ouro 2011

O dia 14 de Dezembro de 2010 foi uma data complicada. A ‘Associação de Correspondentes Estrangeiros de Hollywood’ (Hollywood Foreign Press Association) divulgou os indicados ao Globo de Ouro 2011, uma lista que gerou inúmeras reclamações e indagações (Confira a lista completa aqui). Conservadores e covardes estiveram entre os adjetivos mais lembrados para descrever os nomeados em determinadas categorias (sobretudo Comédia e Musical). Mas a escolha já foi feita e neste Domingo (dia 16) acontecerá a cerimônia de premiação da 68ª edição do Globo de Ouro. O “CineMMaster” realizará uma prévia, tanto de cinema (análise de Ávila Souza e Filipe Ferraz) quanto televisão (análise de Áquila Matheus, clique aqui), sobre os favoritos, os possíveis ganhadores, as ‘bolas fora’ da academia e claro, nossas apostas (quem achamos que irá ganhar) e nossa torcida (quem queremos que ganhe). Lembramos que dizer que determinado filme merece sair vencedor é algo instintivamente pessoal, onde apenas nossos desejos (ou torcida como queiram chamar) diferem do que provavelmente acontecerá.
A cerimônia de premiação acontecerá em Los Angeles, no Beverly Hilton Hotel. O canal fechado TNT transmitirá a partir das 22hrs (pré-show) com a cerimônia se iniciando as 23hrs, horário de Brasília.

Prévia Séries (Televisão)

Cinema:

MELHOR FILME ESTRANGEIRO:
Categoria que sempre gera muita dificuldade em listas desse tipo, afinal, simplesmente nenhum dos cinco concorrentes chegaram aos cinemas nacionais. Faremos então uma previsão baseada única e exclusivamente na recepção dada lá fora para tais produções. O favorito parece ser o mexicano “Biutiful”, principalmente por apostar na figura do já vencedor do Oscar e Globo de Ouro, Javier Bardem (“Onde os Fracos não Têm Vez”) e muito em cima de seu diretor, Alejandro González Iñárritu, realizador da obra-prima “21 Gramas” e também do premiado, e muito bem lembrado pela crítica, “Babel”. Correndo juntamente, encontramos o francês “O Concerto” que conta com Mélanie Laurent, famosa por interpretar Shosanna em “Bastardos Inglórios”. “In a Better Word” da Dinamarca, “The Edge” da Rússia e “I am Love” da Itália (que conta com a vencedora do Oscar Tilda Switon) aparecem com forças menores, mas que podem surpreender.

O mexicano 'Biutiful', que chega aos cinemas nacionais no dia 21 de Janeiro, é o favorito

MELHOR ANIMAÇÃO:

Ainda seguindo os antigos moldes do Oscar, nessa categoria 5 animações disputam o prêmio. As últimas animações da Disney-Pixar têm despontado como favoritas nos últimos anos e em 2011 não será diferente. As animações indicadas são “Meu Malvado Favorito” da Universal Pictures, “Como Treinar Seu Dragão” da DreamWorks, “O Mágico” da Sony Pictures, “Toy Story 3” da Disney – Pixar e “Enrolados” da Disney Pictures. Não só pela popularidade do filme e pela enorme bilheteria, mas porque é muito bem escrito e um dos melhores filmes do ano, que ‘Toy Story 3′ deve ser o vencedor nessa categoria, dando a Disney e à Pixar mais um prêmio.

Uma das poucas unanimidades e considerado um dos melhores filmes do ano, 'Toy Story 3' sairá vencedor, o que não é nenhuma novidade quando o assunto é Pixar

MELHOR TRILHA SONORA:

Disputa complicada. Mais do que complicada, de muito alto nível. Alexandre Desplat por “O Discurso do Rei” e A.R. Rahman por “127 Horas” apresentam grandes trabalhos, porém que não devem lhe render o prêmio. Danny Elfman que consegue se sobressair no mediano “Alice no País das Maravilhas” foi uma enorme e agradável surpresa, já que realiza uma trilha marcante em um filme nem tão. Alguns nomes ficaram de fora como à trilha de “O Escritor Fantasma”, “Harry Potter e as Relíquias da Morte: Parte 1” e “Cisne Negro”. As duas primeiras até existem uma justificativa plausível já que são compostas por Alexandre Desplat, porém a trilha de Clint Mansell por ‘Cisne Negro’ não foi considerada inteiramente original. Porém a grande disputa parece estar mesmo guardada para “A Rede Social” e “A Origem”. Trilhas marcantes que conseguem ditar o ritmo do filme. A primeira foi composta por Trent Reznor e Atticus Ross (“Seven” e “Chamas da Vingança”) conseguindo aliar todo um tom ‘angelical’ em contrapartida com o clima instigante de ‘A Rede Social’. Porém o premio deve ficar com Hans Zimmer que possui nada menos que sete indicações ao Oscar, ganhando pela fantástica trilha de “O Rei Leão”. Dono de trabalhos notáveis como “Batman – O Cavaleiro das Trevas” e “Piratas do Caribe”, o compositor se supera e realiza um trabalho magnífico, o que deve lhe render seu terceiro Globo de Ouro (já venceu pelo próprio ‘O Rei Leão’ e também por “O Gladiador”).

Hans Zimmer tem grande chance de ser premiado com seu terceiro Globo de Ouro

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL:

Essa categoria busca premiar a melhor canção tema de algum personagem ou do filme. Ano passado a canção também vencedora do Oscar ‘The Weary Kind’ (do filme “Coração Louco”) quebrou um ‘ciclo’ que durou de 2004 até 2008 em que todas as canções ganhadoras nessa categoria no Globo de Ouro, nem chegavam a ser indicadas ao Oscar. Geralmente musicais têm mais chances nessa categoria (apenas as canções que são criadas originalmente para o filme). As músicas indicadas nessa categoria são ‘Bound To You’ e ‘You Haven’t See The Last of Me’ do musical “Burlesque”, ‘Coming Home’ do filme “Country Song”, ‘There’s a Place For Us’ de “As Crônicas de Nárnia – A Viagem do Peregrino da Alvorada” e ‘I See The Light’ da animação “Enrolados”. Aposto em ‘You Haven’t See The Last of Me’, que é interpretado pela cantora Cher no filme Burlesque, pois essa canção têm sido indicada em alguns dos últimos prêmios. Apostaria também em ‘Shine’ do documentário “Waiting For The Superman” ou em ‘If I Rise’ do filme “127 Horas”, porém nenhuma delas foi indicada.

Com duas indicações, o musical estrelado por Christina Aguilera e Cher, pode vencer como melhor canção

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE:

Os prêmios desse ano nessa categoria, têm oscilando um pouco nas vencedoras, diferente do ano anterior em que Mo’Nique era tida sempre como favorita por sua atuação em “Preciosa”. Melissa Leo e Amy Adams concorrem por suas atuações em “O Vencedor”, Helena Bonham Carter por “O Discurso do Rei”, Mila Kunis por “Cisne Negro” e Jacki Weaver por “Reino Animal”. Essa categoria é uma das mais difíceis de decidir uma vencedora, pois todas as concorrentes estão em trabalhos espetaculares. É bom ver o que jovens atores vêm se destacando nas premiações, como Mila Kunis, Jennifer Lawrence, Jesse Eisenberg, Andrew Garfield e Emma Stone, porém é lamentável que no Globo de Ouro, a atriz Hailee Steinfeld não tenha sido indicada por “Bravura Indômita”. Nessa categoria eu aposto na experiência de Melissa Leo.

Depois do sucesso por sua atuação em 'Rio Congelado', Melissa Leo pode receber seu primeiro Globo de Ouro.

MELHOR ATOR COADJUVANTE:

Na maioria das vezes, os vencedores nas categorias ‘Coadjuvante’ são os mesmos em quase todos os prêmios que concorrem, com poucas exceções. Os indicados desse ano são Christian Bale por “O Vencedor”, Michael Douglas por “Wall Street – O Dinheiro Nunca Dorme”, Andrew Garfield por “A Rede Social”, Geoffrey Rush por “O Discurso do Rei” e Jeremy Renner por “Atração Perigosa”. Indo diretamente ao ponto, acho que quem ganha esse prêmio é Christian Bale, pois as críticas sobre sua atuação em ‘O Vencedor’ têm sido excelente e apenas pelo trailer é visível que ele não está com uma atuação mediana nesse filme.

Em uma transformação física incrível, Christian Bale aparece como um dos grandes favoritos

MELHOR ATRIZ – COMÉDIA OU MUSICAL:

As atrizes dessa categoria estão em comédias de diferentes tipos. Anne Hathaway concorre por “Amor e Outras Drogas”, Julianne Moore e Annette Bening disputam o prêmio ambas pelo filme “Minhas Mães e Meu Pai”; os dois filmes são comédias voltadas um pouco para o drama e envolvidas em romance. A jovem atriz Emma Stone concorre por “A Mentira” uma comédia leve e de fácil agrado. Fechando as indicadas nessa categoria temos Angelina Jolie no filme “O Turista”, que surpreendeu até a própria atriz que disse que: ‘Não sabia que tinha feito uma comédia’. Por mais que ‘A Mentira’ seja uma comedia super agradável, Emma Stone não tem muitas chances esse ano, ‘O Turista’ foi um filme que não agradou muito a crítica e, portanto, também não dá força à Angelina Jolie na categoria. O prêmio fica entre as atrizes de ‘Amor e Outras Drogas’ e ‘Minhas Mães e Meu Pai’. Minha aposta é em Annette Bening, ela domina todas as cenas em que aparece no filme e consegue ser completa tanto nas cenas de comédia como de drama.

Annette Bening, indicada já em seis edições e com uma vitória, deve receber seu segundo Globo de Ouro

MELHOR ATOR – COMÉDIA OU MUSICAL:

Os indicados nessa categoria são Johnny Depp duas vezes, por “Alice no País das Maravilhas” e  “O Turista”; Kevin Spacey por “Casino Jack”; Paul Giamatti por “Minha Versão para o Amor” e fazendo companhia à Anne Hathaway, Jake Gyllenhaal por “Amor e Outras Drogas”. Não sei o motivo de Jonnhy Depp ter sido indicado duas vezes por filmes que não foram tão bem de crítica. Minha aposta nessa categoria é em Kevin Spacey em ‘Casino Jack’, a maneira como ele fez o lobista no filme de comédia (com piadas bem questionáveis) merece que Kevin ganhe nessa categoria. Como o óbvio e o ‘esperado’ não têm sido o forte do Globo de Ouro deixo como ‘runner-up’ Jake Gyllenhaal.

Kevin Spacey vencedor de dois Oscar ('Beleza Americana' e 'Os Suspeitos') tem seis indicações ao Globo de Ouro, porém, incrivelmente jamais venceu.

MELHOR ROTEIRO:

Como no Globo de Ouro não existe a divisão de Roteiro Original ou Roteiro Adaptado, os melhores das duas categorias disputam o prêmio de Melhor Roteiro. Entre os indicados temos filmes baseados em fatos reais como “127 Horas”, “A Rede Social” e “O Discurso do Rei”, e filmes com histórias originais como “A Origem” e “Minhas Mães e Meus Pais”. ‘A Rede Social’ e ‘A Origem’ têm os roteiros que vêem agradando o público, a crítica e algumas premiações. Entre a adaptação impecável do livro ‘The Accidental Billionaires’ que deu origem ao roteiro de ‘A Rede Social’ e a originalidade de ‘A Origem’, eu aposto no trabalho de Christopher Nolan.

Em um roteiro original bem estruturado e escrito unicamente por Christopher Nolan, 'A Origem' terá que desbancar Aaron Sorkin por 'A Rede Social'

MELHOR ATRIZ – DRAMA:

Categoria que parece fadada a premiar Natalie Portman por sua excelente atuação em “Cisne Negro”. Querida em meio aos americanos e apresentando uma grande transformação durante todo o filme, a atriz poderá receber seu segundo Globo de Ouro, tendo já ganho como Melhor Atriz em Comédia ou Musical por “Closer – Perto Demais”. Jennifer Lawrence por “Inverno da Alma” e Michelle Williams por “Blue Valentine” aparecem com forças menores, tendo a lembrança por parte da premiação já como um grande prêmio, surgindo como notáveis revelações, principalmente a desconhecida Lawrence, já que Michelle Williams já fora indicada por “O Segredo de Brokeback Mountain”. Hale Barry (“Frankie and Alice”), vencedora do Oscar por “A Ultima Ceia” não se sagrou vencedora do Globo de Ouro daquele ano (Sissy Spacek venceu por “Entre Quatro Paredes”), tendo ela, o sempre incômodo ‘débito’ que variavelmente ocorre em premiações do tipo, sendo talvez a principal concorrente de Portman. Nicole Kidman, já vencedora por “Moulin Rouge – Amor em Vermelho”, agora em “Rabbit Hole”, tem um nome e atuação forte, mas que dificilmente conseguirão elevá-la ao posto mais alto.

Natalie Portman poderá ser consagrada por seu papel em ‘Cisne Negro'

MELHOR ATOR – DRAMA:

O buzz gigantesco em cima de “A Rede Social” conseguiu a proeza de levar Jesse Einsenberg a indicação de Melhor Ator, um grande exagero, já que ele apresenta apenas uma atuação correta. Ryan Gosling que cada vez mais, apresenta papéis fortes como em “Diário de Uma Paixão” e “Half Nelson” aparece mais uma vez em grande atuação, desta vez com o romance “Blue Valentine”. Mark Wahlberg sustentando o drama “O Vencedor” aparece como surpresa, onde depois de sua, justa, indicação por “Os Infiltrados” começou a entrar em um ritmo ‘Max Payne’ onde sua carreira não muito estabilizada, começou a balançar. Agora, em ‘The Fighter’ ele volta a figurar nas principais eleições de melhores do ano, apresentando-se como a terceira força na competição. Uma das maiores disputas está reservada aqui, Colin Firth e James Franco parecem duelar a cada semana esperando somente o anuncio deste domingo para enfim comemorar a vitória. Franco já vencedor do Globo de Ouro, porém por TV, apresenta uma de suas melhores atuações no drama “127 Horas”. O diretor Danny Boyle (“Quem Quer Ser um Milionário”) já revelou que fez questão, de em inúmeras tomadas, dar uma mudada drástica no roteiro, para que a atuação de James Franco fosse cada vem mais exigida. Interpretando um montanhista que passa cinco dias com seu antebraço preso sob uma rocha depois de um acidente, em uma história verídica, Franco tem boas chances de vencer. Firth consegue sua segunda indicação consecutiva (ano passado por “Direito de Amar”), agora a interpretar o Rei George VI, que quando discursava encontrava incríveis dificuldades por não saber controlar seus soluços nervosos. Colin Firth vem dominando as premiações de circuito e apresenta um leve favoritismo.

James Franco (à esquerda) e Colin Firth estão praticamente equilibrados, disponibilizando uma das principais disputas da premiação

MELHOR DIRETOR:

Tom Hooper (“O Discurso do Rei”) e David O. Russell (“O Vencedor”) parecem ser completos azarões perto de seus concorrentes. Mesmo que aparentemente consigam trabalhos surpreendentes, dificilmente conseguirão subir ao ‘pódio’ mais alto da premiação. A grande disputa está no trio Darren Aronofsky, David Fincher e Christopher Nolan, uma trinca que apresenta trabalhos completamente distintos. Aronofsky talvez seja o que mais mereça o prêmio por seu brilhante trabalho em “Cisne Negro” e por sua grande crescente nos últimos anos, sobretudo em “O Lutador”, onde Aronofsky fora completamente ignorado, porém finalmente, mesmo depois de vários filmes nomeados pela crítica, consegue sua primeira indicação. O mesmo acontece com Christopher Nolan, já desde sua obra-prima “Batman – O Cavaleiro das Trevas” e agora com o muito bem arquitetado “A Origem”, também merecia uma indicação. Com mais tempo de estrada e com um nome mais forte, David Fincher deve sair vencedor nesta disputa, tendo em seu currículo filmes nomeados como “Clube da Luta” e “Seven”, mesmo que esse não seja seu melhor filme, foi um dos que mais agradaram os críticos e provavelmente se sagrará o vencedor na direção.

David Fincher, em ‘A Rede Social’, conta a história da criação do Facebook. Filme que deve lhe render o prêmio como melhor diretor

MELHOR FILME – COMÉDIA OU MUSICAL:

A categoria Comédia ou Musical beirou o ridículo na edição deste ano. Covardes, não conseguimos encontrar justificativas, além de comerciais é claro, para entender como filmes no máximo razoáveis conseguiram tais indicações. Fazendo um paralelo direto com o ano passado onde “Se Beber, Não Case” foi o grande vencedor visualizamos uma queda brusca de qualidade. E a Associação de Correspondentes Estrangeiros nem mesmo tem a desculpa de dizer que não havia opções, já que filmes como “Kick-Ass: Quebrando Tudo”, “Scott Pilgrim Contra o Mundo”, “Um Parto de Viagem” (de Todd Philippis, diretor de ‘Se Beber, Não Case’) e até mesmo o grotesco “A Ressaca” ficaram de fora, sendo que filmes deste porte dariam uma valorização muito maior do que as escolhas desta edição.

O mais, digamos de forma leve, irracional, desta categoria é que somente o filme “Burlesque” parece estar no ‘lugar’ correto. Parece redundância, porém em uma categoria chamada ‘Comédia ou Musical’, esperamos encontrar que tipo de filme? Somente a produção estrelada por Cher e Christina Aguilera se enquadra na categoria, porém vale ressaltar que ‘Burlesque’ está em baixa na crítica internacional, em outras palavras, só foi indicado por ser o único musical do ano (situação semelhante à de “Nine” ano passado). Chegando aos concorrentes restantes, “Red – Aposentados e Perigosos”, “O Turista”, “Alice no País das Maravilhas” e o já praticamente vencedor “Minhas Mães e Meu Pai” são intrusos na cerimônia. ‘Red’ entre ação e comédia, mais pende para ação, estando aí somente pela figura de seus protagonistas, Bruce Willis, Morgan Freeman, John Malkovich e Helen Mirren. ‘O Turista’ não passa nem perto de ser uma comédia, estrelado por Johnny Depp e Angelina Jolie, o filme vem sendo bombardeado pela crítica internacional o que torna cada vez mais inexplicável sua aparição. E se ainda existem remotas chances do drama típico norte-americano ‘Minhas Mães e Meu Pai’ sair perdedor, será graças ao novo filme de Tim Burton, ‘Alice no País das Maravilhas’. Lisa Cholodenko já estourou o champanhe e está pronta para comemorar a vitória.

Mesmo não sendo uma comédia, assim como seus concorrentes, ‘Minhas Mães e Meu Pai’ parece ter uma vitória já assegurada

MELHOR FILME – DRAMA:

O melhor filme de 2010 segundo os correspondentes estrangeiros estará em boas mãos. Pelo menos esta é a primeira impressão que pode ser tirada sobre os cinco candidatos ao posto de melhor do ano. Vale lembrar que temporada passada, James Cameron e “Avatar” conseguiram a vitória, gerando uma disparidade que desde “Desejo e Reparação”, em 2008, não se era atingida: O Vencedor do Globo de Ouro não ganhou o Oscar. Naquele ano, os irmãos Coen se saíram melhor no prêmio mais cobiçado do cinema, vencendo por “Onde os Fracos não têm Vez” e ano passado, “Guerra ao Terror” desbancou a tecnologia de ‘Avatar’ e venceu a premiação. Nesta edição, mesmo que alguns nomes tenham sido deixados para trás, como “Atração Perigosa” de Ben Affleck, “O Escritor Fantasma” de Roman Polanski e principalmente “Bravura Indômita” dos irmãos Coen, é inegável deixar de reconhecer a grande qualidade existente nos finalistas.

Estrelado por Mark Wahlberg e com grandes participações de Christian Bale, Amy Adams e Melissa Leo, “O Vencedor” narra os primeiros anos de carreira do famoso boxeador americano Mickey “Irish” Ward (interpretado por Wahlberg), um dos maiores nomes do boxe dos anos 80 e a vida de seu irmão Dickie Eklund (Bale) que o treinava antes de terminar preso por uma briga de rua. Prometendo uma história emocionante tanto dentro dos ringues como no drama vivido pelos dois irmãos, ‘O Vencedor’ tem estréia prevista para o dia 04 de Fevereiro. Dirigido por David O. Russel (“Três Reis”), e já tendo seis prêmios em todo o circuito (quase todos para Christian Bale), o filme aparece como a quinta força na categoria, mas cada dia mais vem ganhando o gosto do público, principalmente, por ser uma história de esporte e superação, temas que acabam sempre sendo acolhidos de maneira fácil.
Produção com o maior número de indicações ao Globo de Ouro (sete), “O Discurso do Rei” parece apresentar situação semelhante à de “Amor sem Escalas” ano passado, quando atingiu tais atributos, ganhando apenas um prêmio. Graças às atuações de Colin Firth, Helena Bonham Carter e Geoffrey Rush o filme apresenta grandes chances nestes quesitos, porém não deve conseguir alcançar a principal categoria. Contando a história de Albert, duque de York, que relutantemente assume o reino como George VI (Firth), depois que seu irmão abdica. Perseguido por soluços nervosos e considerado inapto para reinar, George VI pede ajuda a um fonoaudiólogo nada ortodoxo chamado Lionel Logue. Na medida em que a Inglaterra se aprofunda na Segunda Guerra Mundial, a voz do rei e os seus discursos se tornam cada vez mais exigidos….. Dirigido por Tom Hooper (famoso por comandar a mini-série de grande sucesso “John Adams” vencedor de quatro Globos de Ouro), ‘O Discurso do Rei’ que já conta com seis prêmios (todos dados ao elenco e para o roteiro) e chega em território nacional no dia 11 de Fevereiro, pode surpreender, inclusive por estar entre os melhores do ano nas principais listas de final de ano e claro, por um fator que não deve ser desconsiderado: Ser o filme com maior número de indicações.

Chegamos à grande disputa travada pelos três principais, aqueles com maiores chances de ser considerado o melhor filme. Começamos pela nova produção de Darren Aronofsky (diretor de “Requim para um Sonho”) em um de seus trabalhos mais completos e com uma média internacional bem elevada. Em “Cisne Negro”, com estreia marcada para o dia 11 de Fevereiro e apoiando-se em uma fantástica atuação de Natalie Portman, a produção, se analisada detalhadamente, provavelmente se encontre como a que mais mereça o posto de melhor do ano, entretanto o alto nível de seus concorrentes pode e deve prejudicar o filme de Aronofsky, surgindo como a terceira força, lembrando sempre que a disparidade entre os candidatos restantes seja mínima. ‘Cisne Negro’ conta a história da bailarina Nina (Portman), uma garota ambiciosa que pretende assumir o posto de Primeira Bailarina da companhia de balé. Para isso, ela terá que seguir os conselhos de seu treinador (Vincent Cassel), além de derrotar sua principal concorrente (Mila Kunis) para conseguir protagonizar a peça O Lago dos Cisnes.
Os dois principais concorrentes são os que mais ‘sacudiram’ o cinema neste ano, e neste caso, a data de estréia talvez apresente grande influencia. Sendo um dos filmes mais comentados do ano e com um buzz gigantesco, porém perto da época de seu lançamento (em julho), “A Origem” apresenta grande oportunidade, mesmo não sendo o grande favorito para levar o prêmio. Apontando-se como um dos diretores mais promissores de sua geração, Christopher Nolan cria todo um mundo complexo e acima de tudo envolvente, entregando a seu filme não só conteúdo, mas também uma dose energética de puro entretenimento, fórmula que vem sendo cada dia mais aperfeiçoado, vide o sucesso “Batman – O Cavaleiro das Trevas”. Contando com um elenco estrelado por Leonardo DiCaprio, Joseph Gordon-Levitt, Marion Cotillard, Ken Watanabe, Ellen Page e Michael Caine, ‘A Origem’ acompanha um grupo de espiões, liderados por Don Cobb (DiCaprio), que na verdade, não invadem os escritórios ou cofres, mas sim, as mentes de seus principais concorrentes. Invadindo os sonhos, um dos momentos de maior vulnerabilidade do ser humano, de suas principais vítimas, os ladrões são capazes até mesmo de simular níveis diferentes de “realidade” dentro da mente em que estão localizados, sempre buscando a qualquer custo enganar o sonhador, convencendo-o assim, a entregar todos os segredos mais valiosos. Depois então de um trabalho frustrado, o poderoso Saito decide contratar o grupo liderado por Cobb para que agora, eles não mais tenham que simplesmente invadir a mente de suas vítimas, mas realizar o procedimento inverso, ou seja, plantar uma idéia, no caso, na mente do jovem bilionário Robert Fischer (Cllian Murphy). O grande encalce nesta atitude é que esta é uma tarefa totalmente inédita e alem do mais de uma risco absurdo para Cobb, Arthur (Joseph Gordon-Levitt) e sua equipe.

E se elencamos o buzz de ‘A Origem’ como gigantesco, não existem palavras para descrever a loucura intensa que o filme “A Rede Social” atraiu para si. Abordando uma das maiores febres dos últimos anos de forma inimaginável, ‘A Rede Social’ consegui balançar o terreno em que pisava, inflando quem deixava o cinema com um sentimento de querer criar alguma coisa, ou melhor, um sentimento de precisar construir algo do tamanho do Facebook, obra ‘universitária’ de Mark Zuckerberg e que ganha vida pelas mãos do nomeado diretor David Fincher.

Em uma noite de outono, em 2003, graduado em Harvard e gênio em programação de computadores, Mark Zuckerberg (Jesse Eisenberg) senta diante de seu computador e, acaloradamente, começa a trabalhar em uma nova ideia. Contando com a ajuda de seu amigo Eduardo Saverin (Andrew Garfield) e com as dicas do empresário Sean Parker (Justin Timberlake) e no furor dos blogs e programação, o que começa em seu quarto logo se torna uma rede social global e uma revolução na comunicação: o Facebook. Em apenas seis anos e 500 milhões de amigos mais tarde, Mark Zuckerberg é o mais jovem bilionário da história… Mas, para este empresário, o sucesso traz complicações pessoais e legais. Tecnicamente acima da média e com, outro, grande trabalho de David Fincher, diretor de produções como “O Curioso Caso de Benjamin Button” e “Clube da Luta”, que além de conseguir extrair carisma de atores até então quase anônimos como Jesse Eisenberg (“Zumbilândia”) e Andrew Garfield (o novo Homem-Aranha), transforma uma história documental em um grande e instigante filme.
‘A Rede Social’ vem ganhando praticamente todos os prêmios disputados, surgindo como o grande favorito a neste domingo vencer a principal categoria do Globo de Ouro 2011.

________________________________________________________________________________________
Ávila Souza:
Apostas:
Melhor Filme Drama: A Rede Social | Melhor Comédia ou Musical: Minhas Mães e Meu Pai | Melhor Diretor: David Fincher (A Rede Social) | Melhor Ator Drama: Colin Firth (O Discurso do Rei) | Melhor Atriz Drama: Natalie Portman (Cisne Negro) | Ator Coadjuvante: Christian Bale (O Vencedor) | Atriz Coadjuvante: Melissa Leo (O Vencedor) | Ator Comédia ou Musical: Kevin Spacey (Casino Jack) | Atriz Comédia ou Musical: Annette Bening (Minhas Mães e Meu Pai) | Roteiro: A Rede Social (Aaron Sorkin) | Trilha Sonora: A Origem (Hans Zimmer) | Canção Original: You Haven’t See The Last of Me (Burlesque) | Animação: Toy Story 3 | Estrangeiro: Biutiful

Torcida:
Melhor Filme Drama: A Origem | Melhor Comédia ou Musical: Minhas Mães e Meu Pai | Melhor Diretor: Darren Aronofsky (Cisne Negro) | Melhor Ator Drama: Colin Firth (O Discurso do Rei) | Melhor Atriz Drama: Natalie Portman (Cisne Negro) | Ator Coadjuvante: Christian Bale (O Vencedor) | Atriz Coadjuvante: Melissa Leo (O Vencedor) | Ator Comédia ou Musical: Kevin Spacey (Casino Jack) | Atriz Comédia ou Musical: Annette Bening (Minhas Mães e Meu Pai) | Roteiro: A Origem (Christopher Nolan) | Trilha Sonora: A Origem (Hans Zimmer) | Canção Original: You Haven’t See The Last of Me (Burlesque) | Animação: Toy Story 3 | Estrangeiro: Biutiful

Filipe Ferraz:
Apostas:
Melhor Filme Drama: A Rede Social | Melhor Comédia ou Musical: Minhas Mães e Meu Pai | Melhor Diretor: David Fincher (A Rede Social) | Melhor Ator Drama: Colin Firth (O Discurso do Rei) | Melhor Atriz Drama: Natalie Portman (Cisne Negro) | Ator Coadjuvante: Christian Bale (O Vencedor) | Atriz Coadjuvante: Helena Bonham Carter (O Discurso do Rei) | Ator Comédia ou Musical: Johnny Depp (Alice no País das Maravilhas) | Atriz Comédia ou Musical: Annette Bening (Minhas Mães e Meu Pai) | Roteiro: A Rede Social (Aaron Sorkin) | Trilha Sonora: A Origem (Hans Zimmer) | Canção Original: I See The Light (Enrolados) | Animação: Toy Story 3 | Estrangeiro: Biutiful

Torcida:
Melhor Filme Drama: A Origem | Melhor Comédia ou Musical: Alice no País das Maravilhas | Melhor Diretor: Darren Aronofsky (Cisne Negro) | Melhor Ator Drama: James Franco (127 Horas) | Melhor Atriz Drama: Natalie Portman (Cisne Negro) | Ator Coadjuvante: Christian Bale (O Vencedor) | Atriz Coadjuvante: Amy Adams (O Vencedor) | Ator Comédia ou Musical: Paul Giamatti (Minha Versão Para o Amor) | Atriz Comédia ou Musical: Anne Hathaway (O Amor e Outras Drogas)Melhor Roteiro: A Origem (Christopher Nolan) | Trilha Sonora: A Origem (Hans Zimmer) | Canção Original: Coming Home (Country Strong) | Animação: Toy Story 3 | Estrangeiro: Biutiful

Um comentário em “Prévia: Globo de Ouro 2011”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s