Cinema, Críticas, Pré-Estréia, ReleMMbrando

Bravura Indômita (1969)

Um dos poucos filmes do gênero ‘western’ que consegue se voltar mais para o seu enredo do que para as cenas de ação


Mattie Ross (Kim Darby) é uma jovem adolescente que procura Tom Chaney (Jeff Corey) o covarde assassino do seu pai. A pessoa certa na cidade para ajudá-la é o Oficial ‘Rooster’ Cogburn, um homem bruto que passa a maior parte do tempo bêbado, mas que diz ter a coragem destemida que a jovem Mattie procura. Procurando receber alguma recompensa pela captura de Chaney ou até mesmo do líder da gangue Ned Pepper (Robert Duvall), o Texas ‘Ranger’ chamado La Beouf (Glen Campbell) também acompanhará a jovem e o Oficial na busca pelos fugitivos.

O filme é um western carregado de sentimentos. Mattie e Cogburn são personagens que estão em um mesmo nível no filme, se em algum momento um se sobressai a outro, é intencional da cena, pois ambos são muito bem resolvidos. Assim como um tradicional filme de ‘velho oeste’ existem longas cenas de andanças à cavalo e o desfecho ocorre de maneira rápida, porém, apenas pelo fato de não haver o personagem característico do forasteiro que chega para resolver os problemas de uma cidade, pelo contrário, já que um dos personagens principais é uma garota, o filme tem um ar mais inocente.

As cenas de ação são os pontos mais altos de westerns, aqui, elas são um dos pontos mais altos. Existem as cenas em que têm os disparos de armas entre os montadores de cavalos, mas não há a espera para isso ocorra, como se fora uma obrigação, tais cenas ajudam a entreter e completar o filme. Tudo em ‘Bravura Indômita’ acontece da maneira mais natural possível graças às excelentes atuações, um bom roteiro e diálogos afiados.

Um dos triunfos do filme foi John Wayne, depois de muitos trabalhos em sua carreira, em sua maioria westerns, ter sido premiado com o Oscar de Melhor Ator por sua atuação em ‘True Grit’; Wayne vinha sofrendo problemas de saúde desde alguns anos antes das gravações de ‘Bravura Indômita’, entre câncer e doença de coração, a última frase do filme atinge tanto o público expectador quanto ao personagem a que ela se refere.

Além de “Bravura Indômita”, o mais recente filme do gênero que me recordo, até então, é “Os Imperdoáveis”, do diretor Clint Eastwood, como um western que não se resume em cenas de tiros e conflitos em cidades ‘semi-abandonadas’ na região do oeste americano.

Nota: 8,0

por Ávila Souza

3 comentários em “Bravura Indômita (1969)”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s