2011, Cinema, Críticas

Capitão América: O Primeiro Vingador (2011)

O aguardado e excelente elo entre o passado, o presente e o futuro dos heróis vingadores


O jovem patriota Steve Rogers (Chris Evans) veio de uma família não muito rica e tem como objetivo principal, servir aos Estados Unidos na Segunda Guerra Mundial. Porém, por ter sua saúde frágil e não demonstrar força suficiente para a guerra, ele é rejeitado no recrutamento. Mesmo não fazendo parte do exército, Rogers chama a atenção de um cientista e em seguida de um coronel por sua dedicação, persistência e prestabilidade até onde lhe é possível. Rogers então é chamado a fazer parte de um projeto secreto que objetiva criar um super soldado para o governo norte-americano. Com a realização desse projeto, Rogers fica apto a lutar na guerra e se tornar um dos maiores heróis que o mundo, e principalmente os EUA, já viu.

Devido a muita expectativa por esse filme ser o último antes de ‘The Avengers’ – produção que mostrará a união de vários heróis do universo ‘Marvel’ – a busca por referências a outros heróis que compõem os ‘Vingadores’ pode ofuscar o enredo sob o qual Capitão América – O Primeiro Vingador se desenvolve. Digo-vos, pois, que as referências são bastante diretas. O filme está intrinsecamente conectado a outros heróis como Thor e Homem de Ferro e consegue fazer as pontas e ligamentos necessários para introduzir o filme dos Vingadores. E há também a cena após os créditos, de grande importância e muita empolgação.

Não há como não esperar um pouco de ufanismo em um filme que mostra um herói de guerra norte-americano. Essa era uma das difíceis tarefas que os estúdios Marvel tiveram que contornar para que o filme saísse para um agrado comum. O resultado final foi algo de muita qualidade, não só para herói em si, que nunca teve uma adaptação plausível, mas também para o gênero de filmes de heróis. Há muita ironia e até mesmo uma ‘auto-ridicularização’ em vários momentos, seja em relação à Guerra, à imprensa, ou às impressões causadas pelo personagem na população norte-americana. Todo o elenco não deixa a desejar e fiquei feliz com a atuação de Chris Evans, que em muitos papéis não se mostrava carismático, ficando aqui até bem versátil; dou destaque também às excelentes pontas de Stanley Tucci e Dominic Cooper. Grande parte do sucesso do filme se deve também a direção de Joe Johnston, que conta em seu currículo trabalhos na primeira trilogia de Star Wars e em Os Caçadores da Arca Perdida – onde trabalhava na produção de efeitos visuais; e toda a influência de Lucas e Spielberg deixa a aventura com mais cara de Aventura (espero que entendam…)

Fazendo referência ou não aos filmes passados e futuros, Capitão América – O Primeiro Vingador poderia ter substituído algumas cenas-referências e ter aumentado o vigor das cenas de guerra, fazendo o filme tender mais para o lado ‘ação’ da história. Mesmo tendo se passando 70 anos desde a criação do primeiro quadrinho de Capitão América, parece que estamos presenciando um filme original, assim como seu roteiro. Para um filme que nasceu de uma necessidade de outros e conseguiu ser levado mais a sério que muitos – e melhor produzido também – considero uma das boas surpresas de 2011.

Nota: 9,0

por Ávila Souza

Um comentário em “Capitão América: O Primeiro Vingador (2011)”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s